Pintura Arq. Eduardo Moreira Santos, Lx (28.08.1904 - 23.04.1992)

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Cabo Verde – Pretende candidatura conjunta do Tarrafal a património da humanidade



Cabo Verde quer que a candidatura do campo de concentração do Tarrafal a património da humanidade seja conjunta com Angola e Portugal, envolvendo a Guiné-Bissau, anunciou esta segunda-feira o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas daquele país.

Em declarações à agência Lusa, em Lisboa, Abraão Vicente revelou que a intenção do Governo é “fazer do campo de concentração uma espécie de campo internacional pela paz”. “Vamos apresentar uma candidatura que não retrata apenas o sofrimento e um certo estigma que existe sobre o ex-campo de concentração do Tarrafal. Queremos criar um projecto museológico que ensina aos cabo-verdianos, aos portugueses, aos angolanos, aos guineenses e ao mundo que passa por Cabo Verde o que nós, como povo, aprendemos com a existência de um campo de concentração no nosso território e criar um campo em que se possam promover diálogos pela paz”, disse.

No final de um encontro com o ministro da Cultura português, no qual foi discutida a questão da candidatura do campo do Tarrafal a património da Humanidade, o ministro cabo-verdiano explicou que o Governo a que pertence defende “uma candidatura conjunta: Cabo Verde, Angola e Portugal, envolvendo a Guiné-Bissau”. Segundo Abraão Vicente, o seu homólogo português defendeu a ligação do Tarrafal à Fortaleza de Peniche, em Portugal, onde durante o regime do Estado Novo funcionou uma prisão política, da qual se registaram célebres fugas, como a do líder comunista Álvaro Cunhal.

A ideia final, adiantou, é “ligar o campo de concentração do Tarrafal a todo o sistema prisional construído durante a época salazarista, mas numa perspectiva cabo-verdiana”. É objectivo da iniciativa mostrar o que o povo cabo-verdiano aprendeu com “a experiência da colonização”. “A Cidade Velha, património da humanidade, é toda a experiência da fundação do povo cabo-verdiano. O campo de concentração mostra o período do final do colonialismo, a nossa ligação com Portugal e as outras colónias portuguesas, o modo como fomos inseridos num processo que também foi doloroso para Portugal”, prosseguiu. A apresentação da candidatura deverá ocorrer em 2020, tendo sido criado um grupo técnico que já está a trabalhar neste projecto. In “Ponto Final” - Macau

Sem comentários:

Publicar um comentário